28 de fev de 2011

Os comerciais, as propagandas...




Minha filha de 10 anos está aprendendo na escola sobre publicidade, marketing, propaganda e afins. Está entusiasmada analisando os comerciais e explicando, por exemplo, porque determinado símbolo é colocado à direita e como isso interfere na maneira como recebemos as informações.

Acho tão importante ela estar aprendendo sobre estas coisas que nos influenciam tanto. Apenas ligamos a telinha, abrimos um jornal ou revista e somos alvejados por tamanha quantidade de informações e tentações que precisamos realmente estar preparados. Aqui em casa, ainda não pediram para ir ao banheiro na casa do Pedrinho, mas repetem algumas frases sem piscar!

Particularmente sou fascinada por comerciais, adoro aquele em que um pai troca a fralda do filho enquanto discute a banda larga da Claro; a Tridente que fala do aumento da população mundial com muito bom humor, falando de mais mulheres bonitas, mais musica boa; a querida Suzana que ganhou o mundo sem precisar sair da barra da calça do pai super protetor apenas por se transformar em uma “net”, entre outros tantos.

Tem o fantástico comercial da Fiat, sobre o novo Uno em que precisei da ajuda do meu filho para entender que reproduzia o vídeo game Rock Band! Aliás, os comerciais de carro tem dominado a maioria dos horários, alguns utilizando lindas músicas, até mesmo eruditas, talvez tentando chamar a atenção de um público mais refinado, mas que deixam os comerciais adoráveis.

Mas o que me surpreendeu foi que neste carnaval não temos tantos comerciais de cerveja como em anos anteriores, com aquelas músicas chicletes que grudam principalmente nas crianças. Alguns anos atrás surpreendi meu filho com uma tampinha da Skol no estojo e pedi como ele tinha aquilo. Ele respondeu que vários colegas da escola tinham porque adoravam a música!

Por isso fiquei tão feliz ao ver tudo isso sendo debatido em sala de aula, pois acredito que quanto mais preparadas, melhor nossas crianças receberão tantas informações.

Um comentário:

cies disse...

É isso, Eli!!
Vivemos a era da comunicação e nossos filhos estão conectados 24 horas!É hora de repensar sobre os "prós e contras" disso tudo e como será o uturo desta geração!!
Bjosssssss...