28 de jul de 2011

Tampas de Bueiro no Japão

Aqui no Brasil, bueiros são sinônimos de mau cheiro, ratos, baratas ou até mesmo perigo, como temos acompanhado nos noticiários recentemente. Na Cidade Maravilhosa, eles estão explodindo e colocando as pessoas e o patrimônio em risco. As tampas muitas vezes são até roubadas.

No Japão essas tampas são verdadeiras obras de arte. Viraram um livro através do fotógrafo inglês Remo Camerot, chamado Drainspotting. Recentemente um aplicativo para o ipad/iphone foi desenvolvido.










Até mais,

Eli

20 de jul de 2011

Campeonatos da vida



Todos os pais que tem filhos participando de atividades esportivas, volta e meia se deparam com algum campeonato. Interno, externo, municipal, estadual, nacional, internacional......nossa, quantas possibilidades. O meu , ou melhor do meu filho, foi entre escolinhas de futebol do seu time do coração. Aliás, quantas vezes fiquei irritada com familiares ou amigos por causa de futebol! Foi necessário ser mãe de um menino fanático, louco por futebol, para entender um pouco deste mundo. Compreender um pouco das regras, aprender geografia através dos times, da língua através dos nomes e tantas outras coisas que não faziam parte do meu mundo.

Campeonatos implicam em planejamento de horários, refeições adequadas e muito preparo emocional. Fico com a voz rouca de tanto gritar: Vai! Tira! Chuta! Corre! Levanta! Opa, aí o coração aperta, será que machucou? Será que está tudo bem? Foi falta! Sem dúvida, se meu filho está no chão foi falta! Mesmo que não seja, ...é coração de mãe!

Mas o legal é torcer sempre a favor. A favor do bem, do jogo limpo, justo! Afinal, é uma grande oportunidade de aprender, trocar experiência, gentileza, garra, coragem, integridade.

Infelizmente sempre me deparo com pessoas equivocadas nas torcidas: gritam para a criança do time adversário errar o chute, o passe. Xingam de ..... prefiro não repetir certas palavras! Fico pensando se esses pais tem consciência que no meio do campo estão crianças, no meu caso com menos de 10 anos. Muitas nem sabem o significado do que estão sendo chamadas, mas com certeza percebem a agressividade de quem grita.

E aí vemos tantas notícias tristes envolvendo crianças, como professores sendo agredidos nas salas de aula, e ficamos nos perguntando como isso ocorre. Porém vendo alguns pais proceder assim nas arquibancadas, começo a entender, infelizmente.

No entanto, estou sempre pronta a participar, levar, torcer, pois acredito realmente na importância do esporte e claro, fico imensamente feliz em ver meu garoto se divertindo e quando dá, vir embora campeão.

Parabéns filho pelo Primeiro lugar no seu primeiro campeonato inter escolinhas do Atlético!

18 de jul de 2011

Corujinha e os filósofos

Amigos,


Leiam a resenha que escrevi sobre a coleção Corujinha e os Filósofos no blog da minha querida professora e maravilhosa escritora Isabel Furini.

9 de jul de 2011

BOTERO



Meu primeiro contato com Botero foi no Malba em em Buenos Aires. Fiquei encantada com as formas fofuchas e cativantes na obra Los Viudos de 1968.

Nascido em Medellin, Colômbia, estudou em Madri, Florença e mais tarde no México. Em Bogotá foi professor na escola de Belas Artes da Universidade Nacional de Bogotá. Realizou exposições na Europa, América do Norte e do Sul, recebendo inúmeros prêmios. Está presente no acervo dos principais museus do mundo.

Agora em recente visita ao MON, pude conhecer um outro lado do artista. Dores da Colômiba, traz um lado muito humano, de um ser tão comovido pelo sofrimento de seu povo que usa a própria arte para fazer com que seu protesto chegue aos mais diversos lugares. É lindo e chocante ao mesmo tempo.

Estas obras, retratam a dor, o sofrimento e a violência em seu país oriundos dos conflitos entre políticos e paramilitares.

O que mais me tocou foi um depoimento do artista, onde ele explica que jamais poderia ganhar dinheiro algum com aquelas obras( “Não vou fazer negócio com a dor da Colômbia...”), pois o objetivo delas era não deixar as pessoas esquecerem de tudo o que aconteceu e alertar o mundo para que o mesmo não se repita em outros lugares. Assim, em 2000 ele doou todas estas obras para o Museu Nacional da Colômbia, o qual criou um programa de itinerância, possibilitando tornar a obra conhecida de um público maior.

A exposição está fazendo tanto sucesso que o MON prolongou até 26 de agosto.

Imperdível!

3 de jul de 2011

Jardins Verticais de Patrick Blanc







Através da observação da flora de bosques, o botânico francês Patrick Blanc, nascido em 1953, criou os jardins verticais, revolucionando o mundo da arquitetura e do paisagismo.

Suas obras fazem parte de paisagens urbanas de muitos países, inclusive sendo utilizados nas decorações de importantes lojas e escritórios.

Os jardins tem rega e fertilização automatizados e funcionam como isolamento térmico e purificadores de ar.

Em um momento em que tantos se preocupam com questões como estas, os jardins ganham cada vez mais espaço.